Diversas ações socioambientais são realizadas durante a travessia da Ilha do Campeche de 2018

No último sábado, 10 de março, foi realizada a tradicional Travessia da Ilha do Campeche, em Florianópolis, SC. O evento é organizado pela academia Sotália Sports e acontece há 19 anos. A edição de 2018 contou com a participação de mais de 300 atletas que nadaram 1.500 metros, saindo da Ilha do Campeche e chegando na praia do Campeche, no sul da ilha. Enquanto os atletas realizavam a prova, O Conselho Sociambiental da Sotália Sports, do qual faço parte, juntamente com seus parceiros, realizou diversas ações socioambientais com as crianças e adultos que estavam presentes na Praia do Campeche.

Projeto Golfinho

O Projeto Golfinho é um Programa de Conscientização e Prevenção sobre os Perigos do Mar, Cidadania e Meio Ambiente. O programa possui a finalidade de educar o público infanto-juvenil (entre nove e treze anos de idade), sobre os riscos oferecidos pelo mar, orientando os participantes sobre a utilização segura das praias, de maneira lúdica. Além de educar e conscientizar os jovens, o projeto possui caráter social e integrador, incentivando o convívio harmônico entre as pessoas e o meio ambiente. Nesta temporada 2017-2018, o Projeto capacitou cerca de 5 mil crianças em todo o estado de Santa Catarina.

Durante a travessia da Ilha do Campeche as crianças puderam aprender de maneira divertida as orientações de segurança nas praias. 

FLORAM vai à praia

O projeto FLORAM vai à praia são intervenções pedagógicas nas praias de Florianópolis com o objetivo de conscientizar os cidadãos quanto à poluição e resíduos sólidos (principalmente micro lixo), biomas, ecossistemas, extinção de espécies, ambientes costeiros e marinhos, gestão e sustentabilidade. Durante a ação o projeto também distribuiu sacos de lixo para carro.

Durante a travessia da Ilha do Campeche as crianças participaram do mutirão do microlixo em uma área de 18 m2. Foram coletados diversos tipos de lixo marinho e o que mais chamou a atenção foram as 389 bitucas de cigarro. O detalhe é que esta área é limpa todos os dias, de acordo com um dos funcionários do bar que fica à beira mar. As crianças fizeram a separação do lixo marinho por categoria e aprenderam a importância de descartar corretamente os resíduos sólidos. Ao final da atividade todas ganharam uma medalha feita com resíduos de papel. A Letícia, que aparece na foto, ficou muito feliz e orgulhosa de ter participado desta atividade. 

A atividade de mutirão durante as travessias é recorrente e já retirou muito lixo marinho da Praia do Campeche além de conscientizar centenas de pessoas. Em 2017 o mutirão realizado durante a travessia da Ilha do Campeche em 10 minutos recolheu 403 bitucas de cigarro. Em 2016, foram formados grupos de em média 12 participantes, entre adultos e crianças e em 15 minutos foram recolhidas mais de 1.900 bitucas de cigarro. Em 2015 o mutirão teve a participação de 79 pessoas, incluindo adultos e crianças, além da participação dos organizadores do evento e ecovoluntários do Projeto Lontra. O total de lixo marinho retirado da praia do Campeche foi de 1.550 bitucas de cigarro, 150 litros de plástico, 50 litros de metal, 30 litros de papel e 150 litros de rejeitos.

Projeto Oceano Limpo

O Projeto Oceano Limpo busca maior empoderamento da sociedade sobre os problemas do lixo. São feitas as limpezas de praias para maior integração e conscientização no meio em que vivem, ajudando também para pesquisas futuras. Essa atividade não só mostra a importância e conservação deste ambiente como também evidencia o tamanho do impacto que nós, seres humanos, estamos causando. Durante a travessia foram mostrados itens de lixo marinho coletados durante as limpezas de praia e o impacto que isso causa na vida marinha.

Programa Bandeira Azul

O Programa Bandeira Azul é uma condecoração para praias, marinas e embarcações de turismo que promove o desenvolvimento sustentável do turismo em áreas marinhas e de água doce. O programa desafia autoridades locais, gestores de praias, marinas e operadores de passeios de barco de turismo a buscar padrões elevados de gestão em seis categorias: qualidade da água, gestão ambiental, educação ambiental e informação, segurança e serviços, responsabilidade social e turismo responsável. Durante a travessia a coordenadora do Programa, Leana Bernardi, explicou detalhes do programa e distribuiu sacolas de algodão retornáveis.

Meu Copo Eco

O evento não trabalhou com copos descartáveis, a empresa Meu Copo Eco disponibilizou copos reutilizáveis para todos os participantes, em prol de praias e mares limpos. Com isso aproximadamente 1.500 copos descartáveis deixaram de ser utilizados no evento.

Solofértil

A empresa Solofértil esteve presente distribuindo húmus de minhoca para quem visitasse a tenda do Socioambiental. A empresa produz insumos para jardim como: Húmus, Terra adubada, Barro adubado, Esterco de galinha, Brita Dolomitica, Seixo Dolomítico e Substrato Gramado.

OEKO e Brotei 

A destinação correta dos resíduos orgânicos gerados durante o evento (aproximadamente 250 Kg) foi feita pela empresa Oeko, que forneceu os sacos compostáveis feitos a partir de mandioca e pela empresa Brotei que está fazendo a compostagem dos resíduos orgânicos.O Conselho Socioambiental da Sotália Sports acredita que ações de educação ambiental como estas sensibilizam os frequentadores de praia e as crianças, que se tornam pequenos guardiões do mar, considerando que o problema do lixo marinho é global e o Brasil também contribui para o problema. Em um estudo publicado em 2015 na revista Science estimou-se que 4,8 à 12,7 milhões de toneladas de lixo plástico entraram nos oceanos em 2010 e o Brasil foi um dos 20 países responsáveis por 83% desse valor. Ações como esta são uma das possíveis soluções para minimizar o problema do lixo marinho.

No vídeo abaixo são mostradas algumas imagens feitas durante o evento:

Para você que não pôde estar presente na travessia mas também se importa com essa questão do lixo marinho, você também pode ajudar de duas formas:

  1.  Assinando o compromisso da Campanha Mares Limpos nesse link. Lá você pode escolher se comprometer com uma ou com todas essas ações: recusar canudos plásticos; lembrar de levar sacolas retornáveis; evitar produtos com microplásticos; utilizar garrafa de água reutilizável; escolher produtos sem ou com menor embalagem de plástico; utilizar recipientes para alimentos reutilizáveis.
  2. Você pode ajudar enviar para o Senado a ideia legislativa criada pelo chefe escoteiro Rodrigo de Padula Oliveira que pede a proibição e a distribuição de canudos, sacolas plásticas e o uso de microplásticos em cosméticos no Brasil. Para isso basta assinar essa petição online.

Se cada um de nós fizer a nossa parte, nós podemos construir um mundo melhor 🙂

Deixe uma resposta