A Agência de Proteção Ambiental (EPA) americana  estudará os perigos do lixo plástico em ilha remota no Havaí

image

Uma garrafa de plástico em uma praia. Um estudo da Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos EUA a ser realizado em um local remoto nas ilhas do noroeste do Havaí irá avaliar a ameaça que o lixo plástico representa para espécies sensíveis. Foto: EPA.

Por Tony Barboza
Los Angeles Times
19 de novembro de 2013, 10:03
Traduzido por Mariana Coutinho Hennemann, revisado por Natalie Andreoli, Global Garbage Brasil

A Agência de Proteção Ambiental (EPA) americana irá estudar uma ilha remota utilizada como pista de decolagem no noroeste das Ilhas Havaianas, que frequentemente recebe lixo plástico, o que é o primeiro passo para eventualmente colocar o local na lista de localidades mais perigosas do país.

Em uma carta a um grupo ambientalista, a agência disse que irá estudar a Ilha de Tern, parte de um atol de recifes de corais a cerca de 550 milhas (~885 Km) a noroeste de Honolulu, que serve como local de nidificação para milhares de aves marinhas.

A decisão foi tomada em resposta a uma petição preenchida no ano passado pelo “Center for Biological Diversity” (Centro para a Diversidade Biológica). O grupo solicitou à EPA estudar uma extensão de 1.200 milhas (~1.931 Km) no noroeste das Ilhas Havaianas e parte do chamado Pacific Garbage Patch (Mancha de Lixo do Pacífico), como um local que faz parte do fundo fiducidário* devido à quantidade de lixo plástico que flutua nas correntes oceânicas e é levado à costa.

“Esse foi um grande pedido”, disse Emily Jeffers, uma advogada do Center for Biological Diversity. Mas ela disse que a decisão da agência de estudar a Ilha de Tern foi “um primeiro passo extremamente importante para compreender os perigos que a poluição por plásticos causa à vida selvagem”.

Uma tempestade danificou um quebra-mar ao redor da Ilha de Tern no ano passado, expondo um aterro com equipamentos elétricos descartados que poderiam conter PCBs tóxicos e outros contaminantes, de acordo com a EPA.

“A EPA pretende avaliar liberações potenciais e observadas de substâncias tóxicas da Ilha de Tern, incluindo substâncias perigosas que se incorporamao lixo plástico marinho na superfície da água dos arredores da ilha”, escreveu o administrador regional da EPA, Jared Blumenfeld, na carta de 14 de novembro para o grupo.

Blumenfeld escreveu que a área também “apresenta uma oportunidade cientificamente significativa para avaliar o impacto toxicológico potencial da ingestão de lixo marinho plástico sobre receptores altamente sensíveis”.

Um porta-voz da EPA caracterizou o estudo, denominado como uma avaliação preliminar, como um esforço de coleta de dados inicial para determinar se o local ameaça a saúde humana ou do meio ambiente. Somente se for categorizado como altamente perigoso e preencher diversos outros requisitos, o local será colocado na lista de localidades para o fundo fiducidário nacional.

“A designação ao fundo fiducidário está longe”, disse Dean Higuchi, um assessor de imprensa da EPA da região sudoeste do Pacífico. “Este é um primeiro passo no caminho”.

O Center for Biological Diversity solicitou o estudo devido à grande quantidade de lixo flutuante que chega às praias das ilhas do noroeste do Havaí, após viajarem em lentas correntes oceânicas. Aves, peixes e mamíferos marinhos podem ser aprisionados no lixo e ingerir pedaços de plásticos e químicos tóxicos.

O grupo também pediu que a EPA estude a Mancha de Lixo do Pacífico, uma grande concentração de lixo, petrechos de pesca abandonados e minúsculas partículas de lixo que ficam girando em redemoinho, algumas vezes descrita como uma “sopa de plásticos”.

A Ilha de Tern e seus recifes formam uma das maiores colônias tropicais de aves marinhas do mundo e fornecem hábitat para a foca monge do Havaí (Monachus schauinslandi) em perigo de extinção e as ameaçadas tartarugas verdes do Havaí.

A ilha de 10,52 ha (~0,1 Km²) foi utilizada como pista de pouso naval durante a Segunda Guerra Mundial e, mais tarde, como uma estação da Guarda Costeira americana. O U.S. Fish and Wildlife Service (Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos E.U.A.) operou uma base de campo lá até ela ser danificada por uma tempestade no ano passado.

tony.barboza@latimes.com
Twitter: @tonybarboza

*N.T. Superfund – fundo fiducidário estabelecido em 1980 para financiar a despoluição de áreas altamente poluídas (E.U.A.).

Facebook
Google+
WhatsApp
LinkedIn
Email

PESQUISE

SOBRE

IMG_4961_FotoPerfil

Bacharel em Ciências Biológicas e mestre em Biotecnologia pela USP, técnica em Meio Ambiente e educadora ambiental pelo IFSC.  🔬🌎♻️ Aromaterapeuta certificada pelo Instituto Terraflor com cursos complementares em Aromaterapia Clínica. Professora em aromaterapia certificada pela escola norte-americana “The School for Aromatic Studies”.  💦 🌿🌹 

Paulistana, decidi me mudar para a Ilha da Magia (Florianópolis, SC) para ter mais contato com a natureza.  🌱🌹🍋  Neta de italianos, aprendi desde pequena a gostar de mexer na terra e cuidar das plantas. Adoro aprender e compartilhar assuntos que proporcionem uma vida em melhor harmonia consigo mesmo, com os outros e com o planeta!  💚🌎

NEWSLETTER

NÃO PERCA:

PARCEIROS

REDES SOCIAIS

Concecte-se conosco no Facebook, Instagram, Whatsapp !

@NATIANDREOLI NO INSTAGRAM

POSTS RECOMENDADOS