“Project Baseline Oslo” remove rede de arrasto gigante

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=pTH1tFmVz_0?feature=oembed&enablejsapi=1&origin=https://safe.txmblr.com&wmode=opaque&w=540&h=304]

Traduzido por Mariana Coutinho Hennemann, revisado por Natalie Andreoli, Global Garbage Brasil

Mergulhadores do “Project Baseline Oslo” (Projeto Inicial Oslo) passam seu tempo de lazer limpando o Fiorde de Oslo, e, no final de outubro, removeram uma rede fantasma de Askholmen, próximo ao Fiorde.

– Nós estamos falando sobre uma rede de arrasto gigante (rede de camarão), então, foi uma grande tarefa logística. Embora certamente haja muitas redes ainda lá, nós achamos importante fazer o que está ao nosso alcance. A rede removida pode nos ajudar a conscientizar as pessoas acerca do problema, ao menos localmente, explica o diretor do projeto Edward Smith, do Project Baseline Oslo.

Rede de arrasto removida. © Ghost Fishing.org.

O objetivo do grupo é monitorar o ambiente no Fiorde de Oslo e ajudar a limpá-lo, e no final de outubro eles fizeram o mesmo fora de Askholmene.

A rede de arrasto foi removida em duas operações. Um mergulho de reconhecimento foi feito e, ao mesmo tempo, a rede foi arrastada para águas mais rasas.

– A visão que os mergulhadores tiveram a aproximadamente 20-30 metros foi de uma rede enorme estendida ao longo do leito do mar. Partes da rede estavam flutuando na água e pareciam ser capazes de pescar por si próprias, eles escreveram em uma declaração. 

No segundo mergulho, a rede foi recolhida em uma pilha, enrolada como uma bola. Sacos de elevação e um tambor de óleo deram sustentação extra à rede. A rede foi arrastada para a terra e, mais tarde, recolhida por tripulações do município de Nesodden.

– Eu ouvi argumentos de que essa rede não estava “pescando” no fundo do mar, mas nós podemos refutá-los. Havia tanto peixes quanto lagostas na rede que nós recolhemos, e a parte superior da rede flutuava livremente na água e estava pronta para pegar peixes.

O que acontece é que os peixes ficam presos na rede e morrem. As lagostas e os caranguejos vão comer os peixes e acabam ficando presos, diz Smith.

De acordo com o diretor do projeto, o Diretório de Pesca registrou entre 900-1000 redes fantasmas de vários tipos a cada ano. Elas são basicamente de pescadores comerciais. Em torno de metade delas é reportada; as demais têm sido encontradas de outras formas.

Facebook
Google+
WhatsApp
LinkedIn
Email

PESQUISE

SOBRE

IMG_4961_FotoPerfil

Bacharel em Ciências Biológicas e mestre em Biotecnologia pela USP, técnica em Meio Ambiente e educadora ambiental pelo IFSC.  🔬🌎♻️ Aromaterapeuta certificada pelo Instituto Terraflor com cursos complementares em Aromaterapia Clínica. Professora em aromaterapia certificada pela escola norte-americana “The School for Aromatic Studies”.  💦 🌿🌹 

Paulistana, decidi me mudar para a Ilha da Magia (Florianópolis, SC) para ter mais contato com a natureza.  🌱🌹🍋  Neta de italianos, aprendi desde pequena a gostar de mexer na terra e cuidar das plantas. Adoro aprender e compartilhar assuntos que proporcionem uma vida em melhor harmonia consigo mesmo, com os outros e com o planeta!  💚🌎

NEWSLETTER

NÃO PERCA:

PARCEIROS

REDES SOCIAIS

Concecte-se conosco no Facebook, Instagram, Whatsapp !

@NATIANDREOLI NO INSTAGRAM

POSTS RECOMENDADOS