Relatório Técnico UCLA: As 10 melhores soluções para a poluição global dos oceanos por plástico

Lixo em Ballona Creek, Califórnia. Foto: Stiv Wilson, 5 Gyres Institute.

Postado em 9 de novembro de 2013, por Leila Monroe
Traduzido por Natalie Andreoli, Global Garbage Brasil

Um novo relatório divulgado hoje identifica as 10 melhores soluções para resolver o urgente problema de cerca de 20 milhões de toneladas de lixo plástico que entram nos oceanos a cada ano. A poluição por plástico é uma crise assustadora para o ambiente marinho, e que exige ação.

Com a entrada do NRDC (Natural Resources Defense Council – Conselho de Defesa dos Recursos Naturais) e outros especialistas em resíduos e oceanos, os autores da UCLA School of Law’s Emmett Center on Climate Change and the Environment (Centro Emmett sobre Mudanças Climáticas e Meio Ambiente da Faculdade de Direito da Universidade da Califórnia, Los Angeles) e do UCLA’s Institute of the Environment and Sustainability (Instituto de Meio Ambiente e Sustentabilidade da UCLA) lançaram conjuntamente um resumo no Pritzker Environmental Law and Policy Brief (“Resumos de Política e Direito Ambiental Pritzker”): “Stemming the Tide of Plastic Marine Litter: A Global Action Agenda” (“Deter a Maré de Lixo Marinho Plástico: Uma Agenda de Ação Global”).

Este relatório documenta os efeitos devastadores do lixo marinho plástico, detalhando como os plásticos formam uma grande parte do nosso fluxo de resíduos e, normalmente, não são biodegradáveis no ambiente marinho. O lixo marinho plástico tem uma ampla gama de impactos ambientais e econômicos adversos, desde mortes de animais e recifes de corais degradados até bilhões de dólares em custos de limpeza (ver relatório do NRDC sobre o custo para as comunidades da Califórnia AQUI), danos a reservatórios, e perda de receitas no turismo e na pesca. O resumo apela para a comunidade global desenvolver um novo tratado internacional, ao mesmo tempo em que pede providências imediatas para implementar soluções regionais e locais.

A coautora do relatório, Cara Horowitz, diretora-executiva do Centro Emmett sobre Mudanças Climáticas e Meio Ambiente expressou no lançamento do relatório:

“Devido à má gestão global do plástico estar alimentando o crescente problema do lixo marinho, respostas políticas são necessárias em todos os níveis, desde a comunidade internacional das nações até as comunidades locais e nacionais. Podemos agir agora para rapidamente ampliar as políticas e programas eficazes para tratar do lixo marinho plástico. E espera-se que a colaboração internacional para reduzir o lixo plástico estabeleça uma base para uma cooperação mais ampla sobre outras questões importantes que afetam a saúde dos nossos oceanos”.

Entre a lista das 10 melhores soluções recomendadas, estão as ações prioritárias que já são o foco para o trabalho do NRDC para combater a poluição marinha por plástico:

• Programas de responsabilidade estendida ao produtor para embalagens plásticas;

• Avançar com ações de regulamentação nacionais e locais, como a proibição dos tipos mais comuns e prejudiciais de lixo plástico; e

• Expandir o uso de “lixo zero” (“zero-trash”) no total de carga máxima por dia de lixo ou exigências semelhantes em bacias hidrográficas costeiras urbanas.

Outras soluções criativas em linha com o trabalho do NRDC são a criação de um programa de certificação “amigo do oceano” (“ocean friendly”) para produtos plásticos e a introdução de um novo tratado internacional com mecanismos fortes de monitoramento e aplicação.